O FAP traz economia? Sim, e muita !

O FAP traz economia? SIM, e muita

Antes do FAP, as empresas recolhiam o RAT (1%, 2% ou 3%) sobre a Folha de Pagamento.

O FAP, aplicado pela primeira vez em 2010, instituiu um fator, chamado de acidentário previdenciário e como fator é um objeto que serve como multiplicador, ele se compõe com o RAT que é uma porcentagem.

O FAP varia de 0,5 a 2,0. Lembrando que quando multiplicamos um número por outro, maior que 1,0, ele aumenta e quando multiplicamos um número por outro, menor do que 1,0, ele diminui. O 1,0 é a neutralidade. Assim, O FAP 1,0 quer dizer que vamos recolher o valor nominal do RAT, seja 1%, 2% ou 3%.

Para sabermos se estamos economizando no FAP, precisamos comparar dois cenários:

  • Quanto pagaríamos se nosso FAP fosse 1,0 (como se antes do FAP) e,
  • Quanto pagaremos com a aplicação do FAP 2021, por exemplo, divulgado em 30/09/2020

Fizemos uma varredura para entender o trabalho que vimos fazendo para os nossos clientes e concluímos que, em 5.494 estabelecimentos (CNPJ’s completos), se tivessem que pagar o FAP neutro, ou seja, igual a 1,0 ou se preferirem, como seria antes do FAP, pagariam R$ 36.556.415,01 a mais.

Precisamos deixar mais claro: Se não tivéssemos o FAP eles pagariam quase 37 milhões de reais mas, tendo o FAP, tendo Gestão de Afastados, vão recolher menos 37 milhões.

Que economia !

Honra seja feita, não foi a B2P. Foi o SESMT de cada uma dessas empresas que, por trabalho constante, árduo e persistente, rumou na direção de redução do adoecimento e da acidentalidade faz o que é certo, mas também, econômico.

Concluímos lembrando que essas empresas, ao alcançarem um FAP menor, ocuparam o lugar de outras que estavam nessa posição “empurrando” seus concorrentes no CNAE para situação mais desvantajosa.

Parabéns aos clientes da B2P !

 

Oswaldo Merbach

B2P – Business to Person

Outubro 2020

Matérias relacionadas